Postagens com tags Bananeiras Filmes
‘O BARULHO DA NOITE’ começa a ser rodado no Tocantins

DIRIGIDO POR EVA PEREIRA, ‘O BARULHO DA NOITE’ COMEÇA A SER RODADO NO TOCANTINS

Produzido pela MZN Filmes em coprodução com a Bananeira Filmes, de Vania Catani, o filme é estrelado por Marcos Palmeira e Emanuelle Araújo

Foto: Emerson Silva

Foto: Emerson Silva

O BARULHO DA NOITE”, dirigido por Eva Pereira e com produção da MZN Filmes, em coprodução com a Bananeira Filmes, começou a ser filmado esta semana no Tocantins. Estrelado por Marcos Palmeira, Emanuelle Araújo, Alice Santana, Ana Alice Dias, Mercês Campelo e Wetemberg Nunes, o filme conta o drama de Maria Luíza, uma menina de sete anos que é a primeira a perceber que sua família está por um fio quando descobre que a mãe está apaixonada pelo sobrinho.

Após sete anos de pesquisa, o filme coloca os holofotes nas crianças, para falar sobre abuso infantil, um tema difícil e espinhoso. “Apesar de recentemente começar a ser discutido de forma mais calorosa nas redes sociais e na mídia, no dia a dia, esse tema continua velado, pairando como uma sombra de um mal recorrente em universos distintos, extrapolando privilégios econômicos, sociais e culturais”, diz a diretora.

Em “O BARULHO DA NOITE” o olhar de Maria Luíza é o esconderijo de tudo que ela cala, da dor silenciada, da denúncia, do pedido mudo de socorro contra os abusos que sofre, dos seus anseios e medos. Após o avanço de três anos no tempo, Maria Luíza perderá brutalmente sua inocência, e o olhar de Ritinha, a irmã mais nova e sua cúmplice na história.

Sobre a dolorosa e extensa pesquisa para o filme, Eva Pereira, completa: “foi possível identificar logo no início das pesquisas que fizemos para o filme, mais de um elo entre todas as vítimas. Além da violência sofrida, compartilhavam o silêncio absoluto. É como se ele fosse parte do ritual. Ainda, uma assustadora indiferença por parte de algumas mães, fruto da conivência em algumas situações e impotência em outras, em um misto de cumplicidade e dor, que desestrutura, maltrata, e viola”. 

Formam a equipe de “O BARULHO DA NOITE”, o fotografo Fabricio Tadeu, a diretora de arte, Karen Araújo, figurino por Rô Nascimento. O filme é produzido por Márcio Mazaron, Eva Pereira e Vânia Catani, com recursos do Fundo Setorial Prodecine 1, é produzido pela MZN Filmes em coprodução com a Bananeira Filmes, tem previsão de lançamento para 2019,  com distribuição da ArtHouse.


Sinopse:

Maria Luíza, de sete anos, é a filha mais velha do casal Agenor e Sônia. A menina será a primeira a perceber que sua família está por um fio e perderá o riso e a leveza de criança, quando descobrir a paixão da mãe pelo ajudante de roça do pai. Através do seu olhar triste e atento, acompanharemos sua família se desfazer pelo desencontro de sonhos e objetivos do casal e a chegada anunciada de um intruso.


Ficha Técnica:

O BARULHO DA NOITE
Direção e Roteiro: Eva Pereira
Elenco: Emanuelle Araújo, Marcos Palmeira, Patrick Sampaio, Anna Alice Dias, Alícia Santana. Participação Especial: Tonico Pereira, Wertemberg Nunes, Mercês Campelo, Antista do Acordeon, Mayumi Matuoca.
Fotografia: Fabricio Tadeu
Diretora de arte: Karen Araújo
Figurino: Rô Nascimento
Produção: Márcio Mazaron, Eva Pereira e Vânia Catani
Produtoras: MZN filmes em coprodução com Cunhã Porã Filmes e Bananeira Filmes


Sobre a Diretora

Eva Pereira, considerada uma das mais atuantes profissionais do audiovisual Tocantinense e Região Norte. Com 18 anos de experiência no segmento Audiovisual, atuou por 10 anos na área de produção, roteiro e direção de filmes publicitários, institucionais e programas políticos. Em 2000 entrou para equipe de produtores do projeto Cinema BR em Movimento, onde permaneceu por 07 anos trabalhando na difusão de filmes brasileiros e formação de plateia no Tocantins. Em 2007/2008 integrou equipe de produção local da minissérie "ALICE" produzida pela Gullane Filmes e exibida pela HBO,. No mesmo ano, foi premiada no edital de desenvolvimento de roteiros de Longa Metragem do Ministério da Cultura, com o argumento do filme “ O OUTRO LADO”. Em 2010, escreveu e dirigiu o Longa documentário “PEDIDO DE FOLIÃO, em 2011 foi premiada no edital Cacá Diegues Secult-TO com desenvolvimento de roteiro de Longa Metragem “ SONHOS DE AGROVILA”, em 2013 foi premiada novamente no mesmo edital com o argumento do Longa “ACERTO DE CONTAS”, 2014 integrou a produção tocantinense coletiva do Longa Metragem de Ficção “ PALMAS, EU GOSTO DE TU” onde assina roteiro e direção do último episódio, também em 2014 foi premiada no edital de dramaturgia da Funarte, com o texto teatral "SINA&SONHO DE CAMPONESA". Em 2015, para Bioma produções - DF, coordenou a produção do filme institucional” BRASIL, ALIMENTANDO O MUNDO”, que representou o Brasil na EXPO MILÃO 2015, também em 2015, foi contemplada no edital Curta Afirmativo do MINC com o curta “ COTINHA DA VILA” que assina roteiro e direção, e ainda, conseguiu inserir o Tocantins no programa Brasil de Todas as Telas da Ancine, quando nesse mesmo ano, trouxe para o estado o primeiro Prodav 08, sendo contemplada no edital de produção de conteúdos para Tvs Públicas PRODAV/08, com a minissérie de 13 episódios “FELIZ FORCA NOVA " título provisório que cedeu lugar ao título definitivo " O MISTÉRIO DE NHEMYRÕ," em que assina roteiro, direção e terá estreia nacional em mais de 200 canais em Junho de 2018. Em 2017, foi a vez de trazer para o Tocantins o primeiro Prodecine 01, sendo contemplada com o projeto do Longa Metragem “ O BARULHO DA NOITE”, em que assina Roteiro e direção.

Também em 2017, Eva Pereira integrou a coordenação de produção da novela global " O OUTRO L ADO DO PARAÍSO". A empresa EVA P. DA SILVA EIRELI ME (Cunhã Porã Filmes) nasceu da necessidade de sua sócia/proprietária de ampliar sua área de atuação e contribuir de forma mais efusiva e direta com o desenvolvimento do Audiovisual no Tocantins. Por essa razão, empresa já foi constituída em plena atividade e com projetos em execução. De abril a Junho de 2016, fez a produção de casting local do Longa Metragem " O Nome da Morte", produzido pela TV Zero e dirigido por Henrique Goldman, ainda em Novembro de 2016, teve o projeto de uma série sua "À MARGEM DA ESTRADA" selecionada pela TV RECORD nas rodadas de negócios da TELAS FORUM 2016 (Um dos maiores eventos de conteúdos para TV da América latina). Em 2017, teve dois projetos selecionados para as rodadas de negócios do Riocontent. Atualmente, Eva se dedica as produções dos filmes: COTINHA DA VILA e o BARULHO DA NOITE.


MZN FILMES

Há 5 anos no mercado, a MZN Filmes é a mais completa produtora audiovisual independente do Estado do Tocantins, o produtor Márcio Mazaron e seu irmão Diego Mazaron, oferecem produção, pós-produção e criação de conteúdo para Cinema, Publicidade, TV, Branded Content, e Digital. Somos uma equipe de profissionais de Comunicação que compartilha com nossos clientes – Agências, emissoras de TV, clientes privados – nosso conhecimento e vontade de fazer o melhor. Para nós e para quem nos contrata


BANANEIRA FILMES

Criada em 2000 pela produtora Vania Catani, a Bananeira Filmes é uma das mais prestigiadas produtoras de cinema no Brasil, e tem como característica principal o investimento em produções independentes de notória qualidade artística. Somadas, suas produções já foram exibidas em 403 festivais em 48 países e receberam mais de 188 prêmios. Ao longo destes anos, destacam-se A festa da menina morta, de Matheus Nachtergaele, selecionado para a Mostra Un Certain Regard no Festival de Cannes em 2008, e a bem sucedida parceria com o ator e diretor Selton Mello, que começou com Feliz Natal e se repetiu com O Palhaço, que levou mais de 1,5 milhão de pessoas ao cinema e foi escolhido para representar o Brasil na por uma vaga no Oscar® de Melhor Filme Estrangeiro. A última parceria entre diretor e produtora é o longa O filme da minha vida, inspirado na obra Um pai de Cinema do escritor chileno Antônio Skármeta. As suas mais recentes coproduções La playa, El Ardor e Jauja tiveram estreia internacional no Festival de Cannes.

A produtora investiu ainda especialmente na produção delongas de diretores estreantes como Anita Rocha da Silveira, com Mate-me Por Favor (estreia internacional no Festival de Veneza 2016), Redemoinho, de José Luiz Villamarim e Deserto, de Guilherme Weber e Serial Kelly, de Rene Guerra. A coprodução Zama, de Lucrécia Martel, teve sua premiére internacional no Festival de Veneza 2017. Vania Catani iniciou sua carreira no final da década de 80 com o vídeo independente, ao lado de uma nova geração de realizadores que surgiu em Belo Horizonte. Trabalhou como produtora de TV e com o Forumbhzvideo – Festival de Vídeo e Arte Eletrônica, esteve em contato com o melhor da Vídeo-Arte mundial. A partir da segunda metade da década de 90, com a chamada Retomada do Cinema Brasileiro, voltou-se para a produção cinematográfica, sempre mantendo um interesse particular pelo mercado independente. Em 1997, produziu a série de TV Os Nomes do Rosa e o longa Outras Estórias, ambos dirigidos por Pedro Bial. Integra desde 2018 a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood. Em 2000, já instalada no Rio de Janeiro, fundou a BANANEIRA FILMES, produtora independente que desenvolve, produz e lança projetos ousados e de grande qualidade artística.

 
Começam as filmagens de ‘SERIAL KELLY’, estrelado por Gaby Amarantos

COMEÇAM AS FILMAGENS DE ‘SERIAL KELLY’, ESTRELADO POR GABY AMARANTOS

Produzido por Vania Catani, primeiro longa de René Guerra, vai ser rodado em Alagoas

Em 14 de setembro começam as filmagens de SERIAL KELLY, uma comédia pulp de humor negro, subversiva e questionadora, estrelada por Gaby Amarantos, que faz sua estreia como protagonista no cinema.

O longa acompanha a trajetória de Kelly, uma artista em busca de reconhecimento, com uma intuição criativa muito aguçada, mas que sofre pela ausência de oportunidades em sua carreira. Conforme ela cumpre sua agenda de shows pelo sertão, a cantora de forró eletrônico também vai deixando um rastro de sangue pelo caminho.

Quando passa a ser investigada pelos assassinatos de três homens, sua turnê mambembe também se transforma numa estratégia de fuga. E de estrela ascendente ela se torna uma heroína marginal, a temida e procurada SERIAL KELLY, a primeira serial killer mulher do Brasil.

SERIAL KELLY será todo rodado em Alagoas e a primeira cidade a receber a equipe será Maceió. A escolha pela região não foi aleatória. Em um local onde ainda existe “fazer justiça com as próprias mãos” e o machismo é arraigado, ter uma mulher serial killer como anti-heroína vai ao encontro das transformações pelas quais a região tem passado nos últimos anos, com um enorme crescimento econômico e empoderamento das mulheres e das classes populares.

Este é o primeiro trabalho na direção de René Guerra (que também assina o roteiro junto com Marcelo Caetano, diretor e roteirista de “Corpo Elétrico”), que estreou no cinema com o curta-metragem em 35mm “Os Sapatos de Aristeu”, em 2008. A produção foi um dos filmes nacionais mais premiados daquele ano, com 37 prêmios nacionais e internacionais e ganhador do Grande Prêmio do Canal Brasil 2008. Com o roteiro deste filme, foi selecionado para o Berlinale Talent Campus e desde então desenvolve projetos de ficção e de documentário sobre personagens considerados marginais. Recentemente, René apresentou no Kinoforum e foi premiado por seu mais recente curta metragem, “Vaca Profana”.

A grande estrela do longa é a cantora Gaby Amarantos, que dá vida à Kelly. Além dela, o elenco é encabeçado por uma grande diversidade de atores, apontando para todos os tipos de gênero e fugindo do padrão de beleza convencional, não binário e cheio de glamour, com artistas que representam todas as classes populares.

Produzido pela Bananeira Filmes, de Vania Catani, SERIAL KELLY será distribuído no Brasil pela Vitrine Filmes.


SOBRE O DIRETOR

Alagoano radicado em São Paulo, René Guerra filmou seu primeiro curta-metragem em 35mm, “Os Sapatos de Aristeu” em 2008. Em 2009 estreou o seu curta-metragem “CASA” no Festival de Berlim, Berlinale 2010, fazendo parte da coletânea Fucking Different São Paulo. Em 2012, dirigiu o curta documental “Quem Tem Medo de Cris Negão?” e em 2013, o curta de ficção “O Olho e o Zarolho” ambos Preta Portê Filmes.

É preparador de elenco de diretores como Anna Muylaert, Gabriela Amaral Almeida, João Paulo Cuenca, entre outros. Como roteirista escreveu três longas, “Lili e as Libélulas” (Preta Portê Filmes), “Quieta” (Filmes de Abril) e “Serial Kelly” (Bananeira Filmes).

Em televisão, trabalhou como diretor de imagem da série “Identidade Cultural” (SEBRAE – Alagoas, 2005) , como roteirista da série “Tudo o Que é Sólido Pode Derreter” (TV Cultura, 2009) e como diretor da série “Retratos Brasileiros : Berta Zemel” (Canal Brasil 2011). Em 2016 dirigiu o telefilme “Guigo Offline”, a ser exibido na TV Cultura.


SOBRE A BANANEIRA FILMES

Fundada em 2000 pela produtora Vania Catani, a Bananeira Filmes é uma das mais prestigiadas empresas produtoras de cinema no Brasil, onde a característica principal são os filmes de grande rigor artístico. Produziu mais de 23 longas e cinco curtas em 17 anos de existência. Somados, seus filmes já foram exibidos em mais de 340 festivais em 45 países e receberam mais de 180 prêmios.

Entre eles, destaque para Narradores de Javé, com direção de Eliane Caffé, e A Festa da Menina Morta, de Matheus Nachtergaele, selecionado no Festival de Cannes em 2008; O Palhaço, do diretor Selton Mello, que levou mais de 1,5 milhão de pessoas e foi escolhido para representar o Brasil na disputa por uma vaga no Oscar de melhor filme estrangeiro.

Em 2016, a Bananeira lançou o suspense Mate-me Por Favor, primeiro longa da diretora carioca Anita Rocha da Silveira, que teve estreia mundial no Festival de Veneza. Este ano foi lançado Redemoinho, Deserto, e O Filme da Minha Vida, um dos possíveis indicados brasileiros para concorrer ao Oscar 2018. Suas coproduções La Playa (Colômbia), El Ardor (Argentina) e Jauja (Argentina), tiveram estreia internacional no Festival de Cannes – a próxima muito aguardada é Zama (Argentina), da argentina Lucrecia Martel (O Pântano).


SOBRE A VITRINE FILMES

Em sete anos, a Vitrine Filmes distribuiu mais de 70 filmes. Entre seus maiores sucessos estão Hoje Eu Quero Voltar Sozinho, que alcançou mais de 200 mil espectadores; O Som ao Redor, de Kleber Mendonça Filho, considerado pelo New York Times um dos melhores filmes de 2012; o americano Frances Ha, indicado ao Globo de Ouro em 2014; Califórnia, filme de estreia de Marina Person, selecionado para o Festival de Tribeca; Mãe Só Há Uma, de Anna Muylaert, diretora do premiado Que Horas Ela Volta?; Aquarius, segundo longa de Kleber Mendonça Filho que competiu no Festival de Cannes e já levou 360 mil espectadores aos cinemas; e o documentário Cinema Novo, de Eryk Rocha, também selecionado para o festival. Este ano a Vitrine distribuiu O Filme da Minha Vida, terceiro longa de Selton Mello como diretor.