Postagens com tags Estreia
‘A MOÇA DO CALENDÁRIO’ estreia dia 27 de setembro

FILME DIRIGIDO POR HELENA IGNEZ, ‘A MOÇA DO CALENDÁRIO’ ESTREIA DIA 27 DE SETEMBRO

SINOPSE  
 
O filme A Moça do Calendário conta a história de Inácio, quarenta anos, casado, sem emprego fixo.  Ex-gari Inácio trabalha como dublê de dançarino e mecânico da oficina Barato da Pesada, onde sonha com a Moça do Calendário. No filme o real e o sonho se entrelaçam.
 
Ficha Técnica:
 
Direção: Helena Ignez
Roteiro Original: Rogério Sganzerla
Roteiro Adaptado: Helena Ignez
Elenco: Djin Sganzerla, André Guerreiro Lopes, Mário Bortolotto, Zuzu Leiva, Claudinei Brandão, Eduardo Chagas, Naruna Costa e Barbara Vida
Diretora Assistente: Michele Matalon
Direção de Fotografia e Câmera: Tiago Pastoreli
Montagem: Sergio Gagliardi
Direção de Arte: Fabio Delduque
Figurino: Sonia Ushiyama
Seleção Musical: Helena Ignez
Narração: Helena Ignez
Produção Executiva: Sinai Sganzerla
Direção de Produção: Michele Matalon
Produção e realização: Mercúrio Produções
Co-Produção: SPCINE
Distribuição: Pandora Filmes
Classificação: 16 anos
Duração: 86 minutos
País: Brasil
Ano: 2017
 
Prêmios e festivais:
 

  • 50º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro - Hors Concour, 2017

  • 41ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo, 2017

  • X Janela Internacional de Cinema de Recife, 2017

  • XIII Panorama Internacional Coisa de Cinema, Bahia, 2017

  • 25º Festival Mix Brasil de Cultura da Diversidade, São Paulo, 2017

  • 9º Semana Festival de Cinema, Rio de Janeiro (Semana dos Realizadores), 2017

  • 14ª Edição do Festival de Cinema do Vale do Ivinhema, Mato Grosso do Sul, 2017

  • 12ª edição Femina - Festival Internacional de Cinema Feminino, 2017 – Grande Prêmio Femina Competição Nacional

  • Mostra Retrospectiva Expectativa, Cinema do Dragão de Fortaleza, 2018

  • 21ª Mostra de Cinema de Tiradentes, Filme de Encerramento, 2018

  • 2ª Mostra Lugar de Mulher é no Cinema, Salvador, 2018

  • 17ª Mostra do Filme Livre, 2018

  • 21º Festival de Cinema Luso-Brasileiro de Santa Maria da Feira, Portugal, 2018 – Prêmio do Público e Prêmio Melhor Ator André Guerreiro Lopes

  • Tropical Underground – Lecture & Film in Frankfurt no Deutsches Filmmuseum, Alemanha 2018;

  • Mostra Imagem dos Povos, Belo Horizonte, 2018;

  • Mostra Cinema e Reflexão, no Instituto CPFL, 2018;

  • 41º Festival Guarnicê de Cinema, 2018 - Prêmios: Melhor Filme Longa Nacional, Melhor Direção, Melhor Roteiro, Melhor Direção de Fotografia, Melhor Montagem, Melhor Direção de Arte, Melhor Ator;

  • FIM - Festival Internacional de Mulheres no Cinema, 2018;

  • Queer Lisboa - Festival Internacional de Cinema Queer, 2018.

 
SOBRE A DIRETORA
 
Helena Ignez estreou como atriz em 1959 sob a direção de Glauber Rocha, no curta metragem “Pátio”. A partir de então, atuou em um grande número de filmes do Cinema Novo, como “A Grande Feira”, “O Grito da Terra”, “Assalto ao Trem Pagador” e “O Padre e a Moça”. Em 1968 começou sua parceria criativa com o diretor Rogério Sganzerla e atuou em quase todos os seus filmes.
 
Com mais de 50 anos de produção nos vários campos das artes cênicas e cinematográficas, ela Já foi homenageada na Ásia e também na Europa, a exemplo do 20º Fribourg International Film Festival, na Suíça, cuja Mostra "La Femme du Bandit" apresentou 25 de seus filmes; e do 17º Festival of Kerala, na Índia, que exibiu seis dos filmes em que ela trabalhou como atriz ou diretora. Em 2017 foi a homenageada do Grande Prêmio do Cinema Brasileiro. Ainda na Suíça, como artista plástica, ela estreou a cine-instalação “Electric Sganzerland”, no Centre D’Art Contemporain – Fri-Art.
 
Após a realização do curta-metragem “A Miss e o Dinossauro”, de 2005, seu primeiro longa como diretora, “Canção de Baal”, ganhou o Prêmio de Melhor Filme da Crítica no Festival de Gramado, em 2009, e o Prêmio Anno Unno no Festival Il Mille Occhi, em Trieste, Itália, um reconhecimento pela sua contribuição à linguagem cinematográfica. Com este filme a diretora foi homenageada no 12º Festival de Cinema Luso Brasileiro em Portugal e no 4º CinePort.  Em 2008, o filme também foi selecionado para o Festival do Rio (Midnight Movies); para 32º Mostra Internacional de Cinema de São Paulo; além do Festival Internacional de Goa, na Índia, e do Festival Internacional de Cine Independente de Buenos Aires – BAFICI-Argentina.
Seu segundo longa, “Luz nas Trevas: A Volta do Bandido da Luz Vermelha” (2010), realizado a partir do roteiro original de Rogério Sganzerla, teve sua premiere em 2010, no 63º Festival de Cinema de Locarno, na Suíça, em Competição Oficial, onde recebeu da crítica o Prêmio Boccalino d’Oro de Melhor Filme.
 
Em 2016 foi lançado nos cinemas o seu longa-metragem intitulado Ralé, o filme também foi exibido no 34º Filmfest Munchen, na Alemanha. Helena recebeu o Prêmio de Melhor Direção no 23º Festival Mix Brasil em 2015 e no 39º Festival Guarnicê de Cinema em 2016, onde o filme também recebeu o Prêmio Melhor Trilha Sonora. Também em 2016 Zé Celso recebeu Menção Honrosa no Rio Festival de Gênero & Sexualidade no Cinema por sua atuação em Ralé.
 
 
SOBRE A PRODUTORA
 
Mercúrio Produções, produtora fundada em 2001 por Helena Ignez e Rogério Sganzerla, é responsável por toda a obra cinematográfica dos cineastas, com aproximadamente trinta filmes em seu currículo, entre os quais estão: O Bandido da Luz Vermelha (1968), Luz Nas Trevas – A Volta do Bandido da Luz Vermelha (2012), Copacabana Mon Amour (1970, restaurado pela Mercúrio Produções com patrocínio da Petrobras, finalizada em 2013), Nem Tudo é Verdade (1985) e produção da Série de TV VAN BORA! patrocinada pelo FSA/FINEP e Mercedes Benz.
 
Além de ampla atuação artística e cultural nas áreas de produção e difusão cinematográfica, incluindo teatro, literatura e artes plásticas e dando a continuidade ao trabalho desenvolvido há mais de cinquenta anos na área de cinema a Mercúrio Produções realizou a restauração em 2008 do filme O Bandido da Luz Vermelha, produziu e distribuiu nas salas de cinema os filmes Luz Nas Trevas – A Volta do Bandido da Luz Vermelha (2012) e O Signo do Caos (2005). Produziu Canção de Baal (2008), Reinvenção da Rua (2003), A Miss E O Dinossauro – Bastidores da Belair (2005), Tudo É Brasil (1998) e entre outros importantes filmes.
 
 
SOBRE A PANDORA FILMES
 
A Pandora Filmes é uma distribuidora de filmes de arte, ativa no Brasil desde 1989. Voltada especialmente para o cinema de autor, a distribuidora buscou, desde sua origem, ampliar os horizontes da distribuição de filmes de arte no Brasil com relançamentos de clássicos memoráveis em cópias restauradas, de diretores como Fellini, Bergman e Billy Wilder, e revelações de nomes outrora desconhecidos no país, como Wong Kar-Wai, Atom Egoyan e Agnés Jaoui.
 
Paralelamente aos filmes internacionais, a Pandora Filmes sempre reserva espaço especial para o cinema brasileiro, lançando obras de diretores renomados e também de novos talentos. Dentro desse segmento, destaca-se o recente “Que Horas Ela Volta”, de Anna Muylaert, um grande sucesso, visto no cinema por mais de 500 mil espectadores.

Pandora Filmes | TROCA DE RAINHAS, ESTREIA DIA 16 DE AGOSTO



Sinopse

Em 1721, para manter a paz entre França e Espanha após anos de guerra, o Regente do Reino da França, Philippe d'Orléans, propõe uma troca de princesas que resulta no noivado do rei da França, Louis XV, de 11 anos, com Anna Maria Victoria, 4 anos, e  do príncipe herdeiro Louis, de 11 anos, com Louise-Elisabeth d'Orleans, 12 anos. Porém, a chegada dessas princesas pode comprometer os jogos de poder na Corte.

Ficha Técnica

Direção: Marc Dugain
Cinematografia: Gilles Porte
Roteiro: Marc Dugain, Chantal Thomas
Indicações: César de Melhor Filme Estrangeiro
Produção: Genevieve Lemal, Patrick André
Classificação Indicativa: a definir

SOBRE A PANDORA FILMES

A Pandora Filmes é uma distribuidora de filmes de arte, ativa no Brasil desde 1989. Voltada especialmente para o cinema de autor, a distribuidora buscou, desde sua origem, ampliar os horizontes da distribuição de filmes de arte no Brasil com relançamentos de clássicos memoráveis em cópias restauradas, de diretores como Fellini, Bergman e Billy Wilder, e revelações de nomes outrora desconhecidos no país, como Wong Kar-Wai, Atom Egoyan e Agnés Jaoui.

Paralelamente aos filmes internacionais, a Pandora Filmes sempre reserva espaço especial para o cinema brasileiro, lançando obras de diretores renomados e também de novos talentos. Dentro desse segmento, destaca-se o recente “Que Horas Ela Volta”, de Anna Muylaert, um grande sucesso, visto no cinema por mais de 500 mil espectadores.

 
'CAMOCIM' ESTREIA DIA 13 DE SETEMBRO

SINOPSE

A cada quatro anos, o cotidiano calmo e tranquilo de Camocim de São Félix, pequena cidade do interior do Pernambuco, é chacoalhado. Durante a campanha municipal, a cidade se divide em duas, e todas as vidas parecem orbitar em torno da política. No meio deste mercado eleitoral, Mayara, 23 anos, tenta fazer uma campanha “limpa” para eleger seu candidato e amigo César.
 

LISTA DE FESTIVAIS
 
50º Festival de Brasília
X Janela Internacional de Cinema do Recife
41ª Mostra Internacional de Cinema
21ª Mostra de Cinema de Tiradentes
7º Olhar de Cinema
4ª Mostra Retrospectiva/ Expectativa do Cinema do Dragão
Vencedor do « Encuentro Award » no Miami Film Festival 2017
Festival de Málaga 2018


FICHA TÉCNICA
 
Com: MAYARA GOMES e CÉSAR LUCENA
Direção, Fotografia e Montagem: QUENTIN DELAROCHE
Produção: DORA AMORIM, THAÍS VIDAL, QUENTIN DELAROCHE
Co-produção: JULIE GUESNON AMARANTE, JUSTINE HENOCHSBERG
Som, Mixagem e Trilha Original: NICOLAU DOMINGUES
Assistente de Direção: VICTORIA ÁLVARES
Argumento: FELLIPE FERNANDES, QUENTIN DELAROCHE
País: Brasil
Ano: 2017
Duração: 76
 

Sobre o DIRETOR

Quentin Delaroche dirigiu os filmes “Marie, the cancer tamer” (53’, 2016) e “Nomad’s Land” (52’, 2014). “Camocim” é seu primeiro documentário produzido no Brasil. Em 2018, dirigiu o longa-metragem “Bloqueio”, selecionado na competição do 51º Festival de Brasília. Quentin trabalha também como montador e operador de câmera para o cinema e a televisão.
 

Sobre a PONTE PRODUÇÕES
 
A Ponte Produções é uma produtora audiovisual criada por Dora Amorim e Thaís Vidal, no ano de 2015, no Recife (Brasil), com o propósito de produzir o trabalho de jovens realizadores como Nathalia Tereza, Milena Times, Fellipe Fernandes, Fábio Leal, André Antonio, Rodrigo Almeida e Quentin Delaroche. Os curtas-metragens da produtora já foram exibidos em importantes festivais internacionais como a Semana da Crítica (França), Festival Internacional de Cinema de Chicago (EUA), Cinélatino - Toulouse (França), Festival Internacional de Cinema de Cartagena das Indias - FICCI (Colombia), Festival Internacional de Cinema de Winterhur (Suíça), Festival Internacional del Nuevo Cine Latinoamericano (Havana), entre outros. O primeiro longa-metragem da empresa A SEITA, dirigido por André Antonio, teve sua estreia mundial no Festival Internacional do Rio e a estreia europeia no Festival Internacional de Cinema de Goteborg. Em 2017, a Ponte finalizou o seu segundo longa-metragem CAMOCIM, que teve estreia no Festival de Brasília, dirigido por Quentin Delaroche, e trabalha na produção e desenvolvimento de outros projetos. Em 2018, BLOQUEIO, de Quentin Delaroche e Victória Álvares (PE), é um dos selecionados da mostra competitiva do 51º. Festival de Brasilia.
 

Sobre a SESSÃO VITRINE PETROBRAS
 
Cada filme da SESSÃO VITRINE PETROBRAS terá pelo menos uma sessão diária com horário fixo, nos mesmos cinemas de mais de 20 cidades. Os filmes ficarão em cartaz por no mínimo duas semanas em cada cidade. A intenção é que uma programação mensal e um horário fixo tornem-se um referencial e criem um público cativo.
 
Em 2018, a SESSÃO VITRINE PETROBRAS estará nas seguintes cidades: Rio Branco (Cine Teatro Recreio), Maceió (Cine Arte Pajuçara), Fortaleza (Cinema do Dragão), Brasília (Cine Brasília e Espaço Itaú de Cinema Brasília), Vitória (Sesc Gloria), Goiânia (Cine Cultura Goiânia e Lumiere Bouganville 5), São Luís (Cine Lume), João Pessoa (Cine Bangue), Recife (Cine São Luíz, FUNDAJ Cinema do Museu), Teresina (Cine Teresina), Curitiba (Cineplex Batel e Cinemateca de Curitiba), Niterói (Cine Arte UFF), Rio de Janeiro (Espaço Itaú de Cinema Botafogo e Estação Net Rio), Manaus (Casarão de Ideias), Aracaju (Cine Vitória), São Paulo (Espaço Itaú de Cinema Augusta, Cinesystem Morumbi Town e CineArte), Palmas (Cine Cultura Palmas), Porto Alegre (Cine Bancários), Salvador (Espaço Itaú de Cinema Glauber Rocha), Belo Horizonte (Cine Belas Artes, Cine 104), Santos (Cinespaço Miramar), Belém (Cine Líbero Luxardo) entre outras.
 

'HISTÓRIAS QUE NOSSO CINEMA (NÃO) CONTAVA' ESTREIA DIA 23 DE AGOSTO


Ficha Técnica

DIREÇÃO E CONCEPÇÃO:  Fernanda Pessoa
PRODUÇÃO: Julia Borges Araña, Alice Riff e Fernanda Pessoa
SOM: Érico Theobaldo e Ignácio Sodré (Coletiva Produtora)
MONTAGEM: Luiz Cruz
SOUND DESIGN E MIXAGEM: Érico Theobaldo (Coletiva Produtora)
FINALIZAÇÃO: Quanta Post
PRODUTORA: Pessoa Produções
COPRODUTORA: Studio Riff

Lista de Festivais e Prêmios

Prêmios

Festival de Cine Lima Independiente:
Menção Honrosa na Competitiva Iberoamérica Ahora
Semana (ex-Semana dos Realizadores):
Melhor Filme pelo Júri da Crítica
Semana (ex-Semana dos Realizadores):
Prêmio IndieLisboa
Festival Pachamama Cinema de Fronteira:
Melhor Filme
Festival de Caruaru:
Melhor Roteiro
Femcine:
Menção do Juri

Festivais

20a Mostra de Tiradentes (Mostra Aurora)
19th Thessaloniki Documentary Festival (Competição Internacional)
29e Cinélatino Rencontres de Toulouse (Competição de documentário)
Festival du Nouveau Cinéma (Competitiva Panorama International)
DocLisboa (sessão Heart Beat)
Pirenópolis Doc (Mostra competitiva nacional)
Mostra CineBH (Diálogos Históricos)
Festival de Brasília (Mostra 50 anos em 5 (dias) - Registros de uma história)
Festival de Cine Lima Independiente (Competitiva Iberoamérica Ahora)
3 Margens: Festival Latino-Americano de Cinema
Festival Brésil en Mouvements
Semana dos Realizadores (Mostra competitiva)
Festival de Caruaru (Mostra Competitiva)
Panorama Internacional Coisa de Cinema (Panorama Brasil)
Festival Pachamama Cinema de Fronteira (Mostra Competitiva)
Festival Internacional de Cinema da Fronteira (Mostra Competitiva)
22nd International Film Festival of Kerala (Focus Brazil)
Femcine 8 (Competição internacional)
Beldocs International Documentary Festival do Belgrade
Mostra Internacional de Cinema de São Luis (Mostra Competitiva)
Semana de Cinema Brasileiro da Cinemateca de Bogotá
Festivais Confirmados (2018)
Festival de Cine Radical (Bolivia)
Corriente:Encuentro Latinoamericano de Cine de No Ficción (Peru)
Women Make Waves Film Festival (Taiwan)
 

Sobre a Diretora

www.pessoafernanda.com
www.historiasquenossocinema.com

Cineasta e artista visual, Fernanda Pessoa trabalha principalmente com cinema documental e videoinstalações. Vive e trabalha em São Paulo, e morou no Arizona, em Buenos Aires e em Paris, onde realizou seu mestrado em Audiovisual na Sorbonne Nouvelle. Dirigiu curtas com exibições internacionais e realizou exposições individuais e coletivas. Em 2016, realizou no MIS-SP a videoinstalação Prazeres Proibidos, sobre a censura aos filmes de pornochanchada durante o regime militar.Em 2017, finalizou seu primeiro longa documental, “Histórias que nosso cinema (não) contava”, exibido em mais de 20 festivais nacionais e internacionais e ganhador de seis prêmios. Atualmente, finaliza seu segundo longa documental, “Zona Árida” e trabalha em um projeto selecionado para a Residência Labmis.


Produtoras

Pessoa Produções é uma produtora paulista focada em cinema, vídeo e videoinstalações. Fundada em 2014 pela diretora e produtora Fernanda Pessoa, produziu quatro curtas, exibidos em festivais nacionais e internacionais, como Mostra de Tiradentes, Close, Super off – Festival Internacional de Super 8 e Santo Domingo Outfest, além de video-clipes para cantores e bandas, como Tatá Aeroplano e Bruna Caram. "Histórias que nosso cinema (não) contava" é sua primeira produção de longa-metragem.

Studio Riff  é uma jovem produtora audiovisual brasileira com foco em documentário, que tem se destacado pela qualidade de seus trabalhos. Seus conteúdos para Cinema, TV e internet tem ganhado destaque, participando de importantes festivais nacionais e internacionais e recebendo prêmios. Produziu o longa metragem documental “Meu corpo é político”, que estreou no festival Visions du Reel, na Suíça, e foi selecionado nos festivais BAFICI, Olhar Internacional de Cinema de Curitiba e Torino LGBT Filme Fest.Trabalhos como “Orquestra Invisível Let’s Dance”, “100% Boliviano, Mano”, “Cidade Improvisada”, “Como se fosse da família” e “Dr. Melgaço” são algumas das produções da produtora que discutem questões sociais contemporâneas trazendo reflexão crítica e com forte potencial de diálogo com o público.

 

BOULEVARD FILMES

A Boulevard Filmes é uma produtora e distribuidora audiovisual que busca o equilíbrio entre projetos autorais e demandas de mercado, focando em estratégias de produção e de distribuição compatíveis com cada projeto, tanto para cinema, quanto para TV e novas mídias. Entre os filmes produzidos pela Boulevard estão os longas de ficção “Amor, Plástico e Barulho”, de Renata Pinheiro, “Açúcar”, de Sergio Oliveira e Renata Pinheiro e “Uma Viagem Inesperada”, de Juan José Jusid,  além dos documentários “Glauco do Brasil” e “Grupo de Bagé”, de Zeca Brito, e o telefilme “Guigo Offline”, de René Guerra. Como distribuidora, lançou ainda os documentários “Sobre Sete Ondas Verdes Espumantes”, de Bruno Polidoro e Cacá Nazário, “Meia Hora e as Manchetes que Viram Manchete”, de Angelo Defanti e “Filme Sobre um Bom Fim”, de Boca Migotto.